Publicado por: Fred | novembro 14, 2008

Sussuros e néons: RPG

Mais uma noite chuvosa e deprimente de sexta-feira. Combina com meu humor.

A cidade brilha com desejo, luxúria e pecados. Na escuridão noturna os vicíos e desejos reprimidos são liberados com toda intensidade negada durante o dia. Um estranho painel de neon em forma de crucifixo a algumas quadras brilha cativantemente, me convidando a saltar da sacada no 15º andar desse velho comodo apertado e sujo. Seria mais fácil assim, mas ainda tenho “assuntos pendentes”.

A chuva fina e melancólica me traz lembranças de quando eu era somente mais um sujeito normal na rua. Volto a me concentrar no momento, é mais importante. O som de passos apressados na escada indica que tenho pouco tempo. Após meses de sofrimento e agonia, finalmente eu terei minha vingança, não posso parar antes de concluir minha tarefa … já tinha ido longe demais para voltar atrás. A porta de aço alguns metros atrás de mim começa a retumbar com algo pesado martelando do outro lado, mas tive o cuidado de reforça-la antes de buscar esse abrigo.

Abaixo de mim, no chão, enormes olhos, vazios como um precípicio surgem dentro da poça de sangue em meus pés e me encaram. O cheiro de sangue mesclado com poeira e mofo irrita meu nariz, mas eu já não me preucupo mais. Ouço uma voz fria sussurando dentro de minha cabeça “Combinado”. Finalmente está concluido.

Com um grande impacto a porta finalmente é jogada longe. Por ela entram cinco homens, com todo tipo de armamento pesado, muitos deles desconhecidos da população, utilizados somente em situações extremas… como essa. O cômodo que eles invadiram é uma pequena saleta com uma “cozinha” dividida por uma meia parede de no máximo 15 metros quadrados, completamente arruinado, com marcas de um antigo incêndia por toda parte e pedaços de parede e piso quebrados ou faltando, além de ruinas de antigos móveis e objetos decorativos.

A queda da porta de aço joga poeira e detritos no ar dificultando a visão e formando estranhas figuras no ar. Todos os agentes apontam simultâneamente suas armas para o alvo, que está de costas para a porta. Aos pés dele estão alguns corpos dispostos em uma estranha simetria, sangue e algumas velas acesas. Um dos agentes adianta-se um passo e grita:

_ PARADO! Mãos na cabeça e nada de movimentos bruscos! Você não tem mais para onde correr …

Nesse instante a poeira que ainda não baixara por completo começa a se movimentar como se houvesse um pequeno ciclone se formando e de repente uma enorme rajada de ar explode jogando todos contra a parede.

_ E porque eu correria se vocês estão onde eu quero? _ uma voz gutural e sombria replica …

Tiros, explosões e gritos atravessam a noite imitando os relâmpagos. Sob uma pequena igreja, ha algumas quadras dali, um vulto se apoia na caixa da placa neon observando. Outra caçada iria começar.

dados rpg

Bom… este trexo acima é uma pequena história que fiz para ilustrar esse post, cujo tema é RPG.

Tão mal visto e impopular (se bem que ultimamente a mídia e os evangélicos se cançaram do assunto um pouco), este é, em minha humilde opnião o melhor jogo já criado, e deveria ser ensinado em todas as escolas.

Exagerado? Dependendo da abordagem educacional utilizada não é exagero não, sendo que eu mesmo aprendi com uma professora de literatura minha (abração professora Leila hehehe)… o RPG é um jogo baseado na criatividade e na imaginação, favorecendo o aumento destas, além de estimular o trabalho em grupo, socialização do individuo (você tem que interpretar na frente de outras pessoas, então nada de timidez) entre vários outros benefícios. Muito melhor que uma leitura que só estimula a imaginação da pessoa ne?

O grande diferencial é que na leitura você pode ter em mãos clássicos literários que são oásis para os neurônios, mas no RPG dependendo do mestre e da mesa (a pessoa que cria a história do jogo e os jogadores consecutivamente) você pode ficar sem esse benefício, devido a uma história fraca ou interpretações ruins, apesar de mesmo assim ainda estar utilizando mais massa cinzenta que a maioria dos outros jogos.

O objetivo deste post é esclarecer alguns pontos acerca deste jogo fabuloso, cujo nome significa JOGO DE INTERPRETAR PAPÉIS (Role Playing Game).

Em primeiro lugar saiba que o RPG é tão ameaçador e demoniaco quanto ler um livro de terror, aventura ou ficção e você corre tanto risco de morrer (ou matar alguem) quanto se você estivesse jogando paintball (sendo que este ultimo é muito mais violento). Um amigo meu em um forum disse uma vez algo que exemplifica bem a idiotice de associar violência ao RPG: se você estiver jogando banco imobiliário e ganhar o jogo você vai obrigar seu amigo a passar a escritura da casa dele para você porque você ganhou? Soa estranho isso não é… mas é a exatamente a mesma coisa dizer que ao jogar RPG você deve utilizar qualquer forma de violência para jogar… todos os casos de crimes envolvendo RPG que tiveram destaque na mídia foram comprovados depois que os crimes nada tinha a ver com o jogo e foram usados somente como bode expiatório para os assassinos… leia os detalhes aqui e aqui.

Em segundo lugar RPG é um misto de teatro com jogo de azar, o que significa que uma boa sessão de jogo depende de um bom mestre (a pessoa que cria a história, os coadjuvantes e descreve o “mundo” do jogo) para criar uma boa trama e de bons jogadores para aproveitar ao máximo da história e não transformar a sessão simplesmente em um joguinho de azar qualquer. Por isso se tem interesse em jogar, procure alguem que saiba jogar bem para lhe informar direito, e leia bastante mateirais relacionados ao tema que você vai jogar para lhe auxiliar a criar um bom personagem, pois isso enriquecerá a trama.

Por último, RPG NÃO É PARA QUALQUER PESSOA. Devido a possibilidade de abordar qualquer tema, infelizmente algumas pessoas não tem maturidade suficiente (ou bom senso) para perceber que ficção é somente ficção, e que um jogo é apenas um jogo. Lazer e nada mais. Como as pessoas não vem com etiquetas na testa dizendo “sou um mané imaturo e com problemas psicologicos que me envolvo em um mundo de fantasia para fugir de minha realidade insignificante” não podemos dizer quem pode e quem não pode jogar certos temas de rpg. Se um tema não te deixa avontade, simplesmente não jogue. Se você começar a jogar e começar a se sentir estranho ou ter sonhos estranhos e coisas do gênero, duas dicas: pare de jogar e procure um psicologo.

As perguntas que ouço frequentemente de quem não joga são:

COMO O JOGO FUNCIONA? COMO SE JOGA? E COMO SE GANHA NO RPG?

Seguinte: Lembra quando você era pequeninho(a) lá em Barbacena, que você e seus amiguinhos brincavam de polícia e bandido? Pois é, tirando a parte estupidamente infantil (ehhehe) é muito semelhante a isso. Você irá criar um personagem e irá interpretar este personagem para os outros jogadores (nas horas adequadas do jogo). Os limites para a criação do personagem só dependem do mestre e do jogador (e da história).

Voltando a brincadeira com seus amiguinhos, se por um acaso algum policial gritasse “BANG! ACERTEI VOCÊ! MORREU!” mas a outra criança gritasse “MATOU NADA! PASSOU DE RASPÃO!” como seria resolvido o impace? Nesse caso acho que iria rola uma briguinha infantil mas tudo bem. No RPG no entanto existem as jogadas de dados para não acontecer este tipo de problema. Ao criar o seu personagem você preenche uma ficha marcando em pontos as várias caracteristicas e habilidades que seu personagem possui, e assim, através dessa pontuação você jogará uma quantidade de dados representados por essa pontuação tendo que tirar nos dados valores superiores a um número definido pelo mestre como dificuldade de executar a ação desejada. Complicado? Então para facilitar, um exemplo seria:

Seu personagem está no meio de uma queda de braço e você marcou em sua ficha que ele possui apenas 2 pontos em FORÇA (afinal na história do seu personagem você o descreveu como alguém normal, nem forte nem fraco). Você então irá jogar DOIS dados para testar se é bem sucedido na queda de braço. O mestre lhe diz que a dificuldade para isso é 6 então você tem que tirar pelo menos 1 resultado igual ou maior que 6 a mais que o outro personagem para poder vencê-lo.

Existem vários sistemas de jogo e cada sistema possui variações nas regras de jogada de dados, mas basicamente o sistema é esse: os valores em sua ficha determinam um valor para sua jogada de dados com uma certa dificuldade (valor mínimo) determinada pelo mestre que você deve superar para ter êxito.

livros

Com relação a ganhar, no RPG pode-se dizer que todos os participantes “ganham” ao superar os desafios propostos pela história (mestre) e assim continuar crescendo e evoluindo. O mais próximo de perder no RPG seria a destruição do personagem, pois mesmo fracassando em uma empreitada (na história) seu personagem pode aprender valiosas lições.

Para fechar o post algumas curiosidades:

É aceito como data oficial de nascimento do RPG o ano de 1974, com o jogo Dungeons & Dragons (Masmorras e Dragões), criado por Gary Gygax e Dave Arnesion. No início, o D&D( abreviatura de Dungeons & Dragons), era um simples complemento para um outro jogo de peças de miniatura chamado Chainmail (cota de malha), mas terminou dando origem a um jogo totalmente diferente e inovador.

O jogo logo virou um desenho animado no ano de 1983, Caverna do Dragão. Este primeiro jogo era extremamente simples comparado aos jogos de RPG da atualidade e tinha uma origem influenciada por jogos de guerra/estratégia. Isto sempre levou muitos a crer que o jogo de representação e não apenas de matar, pilhar e destruir demorou a surgir.

Em 1986 a empresa Steve Jackson Games publica o jogo GURPS nos EUA, que vem a ter uma tradução para o portugues pela Devir em 1991. GURPS foi escolhido como o RPG mais realista do mundo e ganhou direito a um lugar de honra (Hall of Fame) em 2000 entre todos os livros do mundo.

Conta-se que Gary e Dave começaram o RPG em virtude de que estariam jogando um “wargame” (jogo de batalha entre miniaturas) e um dos dois disse ter construído uma fortaleza indestrutível. Como forma de invadir essa fortaleza, o adversário disse que 3 dos seus melhores guerreiros foram enviados para entrar nos esgotos da fortaleza para invadi-la. Com isso, surgiu a primeira aventura controlando um pequeno grupo de personagens, e assim começou a interpretação individual e não apenas de exércitos.

That’s all folks… espero que seja útil para quem está começando…


personagens


fontes: eu memo e http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=RPG_(jogo)

Anúncios

Responses

  1. o amor kd os posts novos??

    ta demorando en!!!

    Bjus Kiko

  2. Legal.
    Desmistificando conceitos errados sobre o RPG.
    D&D é um jogo excelente, apesar de não ser o meu favorito. Ele é sim, um estilo de jogo de RPG que QUALQUER UM pode jogar, e isso é sim bom.

  3. ei seus tapados D&D é uma divindade para os rpgistas

  4. Rapaz, não entendi o porque do “tapados”…

    Respeitar a opnião dos outros é importante tambem amigo… com relação ao D&D realmente é um classico, o que não significa ser o melhor, mas isso é relativo né… eu pessoalmente tenho predileção pelos jogos D10 do mundo das trevas (sem clichês e apelações claro)…

    Flws


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: